Depois de um tempo,
depois de reorganizar minha vida...

Reformulando o Blog...

Como deixar de lado por tanto tempo minha maior paixão?

Escrever!!!!





quarta-feira, 30 de maio de 2012

Minuto Opet 2

O nome desta Edição se chama Na Ponta da Língua, publicação do Departamento de Marketing Corporativo do Grupo Opet.
O jornalista responsável é Heidi Motomura e e-mail para eventuais consultas: imprensa@opet.com.br
A publicação é meramente informativa. Não tem o objetivo de substituir fontes tradicionais de consulta e orientação.



Trema já era:
O trema deixa de ser usado (aqueles dois pontinhos que a gente usava sobre o u = ü). Era colocado sobre a letra u para indicar que ela deveria ser pronunciada nos grupos gue, gui, que e qui.
Ex.: tranquilo, aguentar, cinquenta, sequência...
No caso de palavras estrangeiras (e nomes próprios) o trema continua sendo utilizado: Müller

Acento Agudo - 1
Sem acento nos ditongos (é quando numa sílaba encontram-se duas “vogais” – é que uma é semi...) abertos (o som sai quando a boca está mais aberta) éi e ói das palavras paroxítonas (é quando o acento tônico – a sílaba mais forte – da palavra é a segunda, contando de traz para frente). Ex.: geleia, ideia, androide.
O acento continua senso usado no caso dos ditongos éi, éu, e ói nas palavras oxítonas (é quando o acento tônico – a sílaba mais forte – da palavra é a primeira, contando de traz para frente). Ex.: céu, papéis, herói

Acento Agudo 2
Nas palavras paroxítonas deixa de ser usado o acento no i e no u tônicos, quando vierem depois de ditongo. Ex.: feiura
Sem mudança nos casos de i e u tônicos precedidos de vogal. Ex.: baú, saída, ciúme

Acento Agudo 3
O acento permanece em palavra oxítona com o i e o u em posição final, ou seguido de s. Ex.: Piauí
Não se acentua mais as formas que, gue e gui em verbos como: averigue, apazigue, oblique

Acento Diferencial
Desaparece na maioria das situações em que era utilizado. Ex.: para (parar no trânsito); polo (Norte e Sul); pelo (dos bichos); pera (doce, fruta); para-brisa.
Permanece no verbo pôr (sentido de colocar), para não confundir com a preposição por (palavra invariável que liga dois termos entre si, estabelecendo que o segundo depende do primeiro. O por pode ser preposição ou de lugar, ou de meio, ou de troca, ou de preço, ou de duração ou em favor de, etc). E pôde (o verbo conjugado no passado) mantém o acento para não confundir com pode, o mesmo verbo conjugado no presente.
Opcional para distinguir forma de fôrma (de bolo). E dêmos (forma do presente do subjuntivo) para que se distinga de demos (forma do pretérito do perfeito do indicativo).

Mas é tudo do verbo dar! E chega por hoje que até a minha cabeça deu nó!

Um comentário:

cantinho de Jake croche disse...

Muito legal as dicas de português!!!
Tem muita gente que assassina i coitadinho...rsrsrs!
Bjs!!!
Fica com Deus!!!