Depois de um tempo,
depois de reorganizar minha vida...

Reformulando o Blog...

Como deixar de lado por tanto tempo minha maior paixão?

Escrever!!!!





quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Gás Natural


Há tempo eu queria falar sobre isso, mas sempre desatenta; daí depois, reduzi o número de postagens no blog... enfim... hoje vai!
Uma das coisas que mais nos impressionou quando mudamos para Duque de Caxias foi a questão do gás.
Primeiro tive que me desfazer do botijão que abastecia o meu fogão em Rio das Ostras e depois tivemos que contatar a empresa para a instalação do gás no apartamento em que estamos morando.
Como todos sabem, o Rio de Janeiro se farta em petróleo e gás natural. Hoje o estado é autossuficiente em abastecimento de gás.
É diferente pra gente, que ainda estamos acostumados em aquecimento da água das torneiras e chuveiros através da eletricidade, aqui já não é mais assim, tudo é a gás.

Olhem o que eu tirei do site da  CEG, a empresa que faz o fornecimento de gás aqui em Caxias e, acredito, em todo o estado http://portal.gasnatural.com/servlet/ContentServer?gnpage=4-60-2&centralassetname=4-60-4-1-0-0 :

Gás Natural
Produto: definição, composição e propriedades
O gás natural é uma energia de origem fóssil, mistura de hidrocarbonetos leves entre os quais se destaca o metano (CH4), que se localiza no subsolo da terra e é procedente da decomposição da matéria orgânica espalhada entre os extratos rochosos. Tal e como é extraído das jazidas, o gás natural é um produto incolor e inodoro, não é tóxico e é mais leve que o ar. Tanto o gás natural quanto o gás manufaturado não têm cheiro, eles são odorizados na Ceg, do Grupo Gas Natural Fenosa, para que sejam percebidos em caso de escapamentos. Além disso, o gás natural é uma energia carente de enxofre e a sua combustão é completa, liberando como produtos da mesma o dióxido de carbono (CO2) e vapor de água, sendo os dois componentes não tóxicos, o que faz do gás natural uma energia ecológica e não poluente.
Uma vez extraído do subsolo, o gás natural deve ser transportado até as zonas de consumo, que podem estar perto ou bastante distante. O transporte, desde as jazidas até estas zonas, é realizado através de tubulações de grande diâmetro, denominadas gasodutos. Quando o transporte é feito por mar e não é possível construir gasodutos submarinos, o gás é carregado em navios metaneiros. Nestes casos o gás é liquefeito a 160 graus abaixo de zero reduzindo seu volume 600 vezes para poder ser transportado. No porto receptor, o gás é descarregado em plantas ou terminais de armazenamento e regasificação.
Sendo assim o gás permanece armazenado em grandes depósitos na pressão atmosférica e é injetado depois na rede de gasodutos para ser transportado aos pontos de consumo. Todas estas instalações são construídas preservando o meio ambiente, sendo em grande parte subterrâneas favorecendo a possível restituição do paisagem.
  
Aqui eles usam este tipo de aquecedor (que também é usado aí no sul)


Mas no fogão eles não usam a mangueira que usamos aí, ela é uma mangueira em cobre, mais resistente. As instalações que levam o gás até os bicos do fogão também são diferentes.


No site da CEG eles falam bastante coisas sobre como se dá o fornecimento, a respeito da conversão do fogão, o quanto se economiza, os benefícios para a natureza, os países que utilizam deste meio natural...
É só vocês entrarem lá e matarem um pouco da curiosidade. É uma coisa bem interessante e com certeza de ótima qualidade, além de ser um pouco mais econômico que a energia elétrica.

Aqui um mapa, ilustrando o panorama do Gás Natural no país – por isso achamos diferente, aí não é nada comum!!! –

Era isso! Só para matar a curiosidade e mostrar mais uma diferença (e boa!) entre o RJ e o RS.

OBS1: Já tomei banho quentinho num dia que não tinha energia elétrica e isso não tem preço! Hahahahaha!
OBS2: Este é o principal motivo de "vira e mexe" vermos no noticiário mais um bueiro que explodiu no RJ.

3 comentários:

cantinho de Jake croche disse...

Muito bom este post explicando como funciona o gás natural.
E muiiiito booommmm tomar banho quentinho quando não tem luz elétrica!

Anônimo disse...

Tudo tem o lado bom e ruim. Água aquecida a gás é o máximo: bem quentinha e em abundância. Conforto total. Mas, se analisarmos pelo lado da sustantabilidade, preservação do meio ambiente, essas coisas,gastamos muito mais água dessa forma que no aquecimento elétrico. Além disso a energia elétrica vem de fonte renovável e o gás natural não. Mas, que é uma delícia, ah isso é!

Sara disse...

Informações muito úteis que você dá no blog. Estou pensando em mudar e viu vários apartamentos em caxias que eu gostava, eu não sabia que a questão do gás que você escreve. Vou pensar sobre isso, se eu passar de departamento ou não.