Depois de um tempo,
depois de reorganizar minha vida...

Reformulando o Blog...

Como deixar de lado por tanto tempo minha maior paixão?

Escrever!!!!





terça-feira, 13 de março de 2012

Capitulo 8



Você pode ser feliz sem ser perfeitaComo se libertar das cobranças excessivas e se aceitar do jeito que você é. Editora Sextante – Autoras: Alice D. Domar, PH.D. & Alice Lesch Kelly


Capítulo VIII – Encontre alegria nos relacionamentos
Quando confrontados com o estresse, os homens tendem a se isolar, afirma Marianne J. Legado, autora do livro Por que os homens nunca lembram e as mulheres nunca esquecem. “As mulheres reagem ao estresse procurando outras pessoas, em especial outras mulheres. Elas se unem, falam sobre seus problemas, pedem ajuda. Essa reação pode ajudá-las a enfrentar a ameaça imediata e proteg6e-las contra os estragos do estresse em geral”. (pg. 156)
A parte difícil é encontrar o homem ideal, não mantê-lo.
A verdade é que casamento é realmente difícil. E não existe relacionamento perfeito. (pg. 158)
Com o tempo percebi que até os casamentos sólidos requerem empenho – muitas vezes você precisa fazer algum tipo de esforço para manter forte o elo que une o casal. Compreendi que por mais que se ame uma pessoa, não necessariamente se gosta dela sempre. Os dois não se darão bem o tempo todo – podem discordar, discutir, se decepcionar e até sentir total aversão um pelo outro, porém ainda assim se amar. Por quê? Porque nenhum marido ou mulher é perfeito e não existe perfeição no casamento. E se você nutre a expectativa de que sua cara-metade deveria ser perfeita, enfrentará problemas. (pg. 159)
É muito mais fácil conseguir que um casamento funcione quando se aceita algum nível de imperfeição. Admitir a imperfeição e o meio-termo – reconhecendo que o amor não resolve todos os problemas – é o primeiro passo para a construção de um relacionamento mais profundo e mais satisfatório. A ironia é que, se você conseguir se livrar do mito do casamento perfeito, é provável que seu casamento se torne menos imperfeito.
Você nem sempre precisa gostar de seu marido para continuar a amá-lo. (pg. 160)
É possível continuar a amar alguém que seja diferente de você.
Esperar que seu parceiro seja sua única fonte de felicidade ;e a receita para o desastre.
O melhor marido no mundo não conseguiria lhe proporcionar toda a felicidade de que você precisa.
O marido perfeito não existe – e mesmo que existisse, você enfrentaria outros problemas. (pg. 161)
Você está errada se, como muitas perfeccionistas, imagina que ele deveria simplesmente saber de suas necessidades sem que você as mencione. Precisa falar às claras para ele saber o que você quer. (pg. 162)
Não há homem ou mulher que consiga satisfazer todas as necessidades dos parceiros.
Se projetar seu perfeccionismo em seu marido, talvez ele fique com a sensação de que não consegue fazer nada certo. Isso transmite uma mensagem confusa muito destrutiva: “Amo você, desde que faça tudo do meu jeito. Meu amor é condicional”. (pg. 163)
“Meu marido e eu buscamos aconselhamento de tempos em tempos porque acredito que, se vamos ao médico uma vez por ano cuidar do corpo, por que não fazer o mesmo pela mente?”(pg. 166)
(...) ditado hebraico (...) “Não vemos o mundo como ele é. Vemos o mundo como nós somos”.
A reestruturação cognitiva pode ajudá-la a ver os outros como eles de fato são. Isso lhe permite remover um filtro que está entre você e as palavras e ações dos outros para que possa vê-los com mais clareza pelo que são. (pg. 167)
Aprenda a conversar em vez de brigar
Limite-se à reclamação em questão;
Nas frases, refira-se a si mesma, não ao outro;
Evite linguajar rude;
Pense antes de falar;
Se estiver errada admita;
Pense bem antes de começar uma briga à toa;
Diga algo engraçado;
Tente não guardar ressentimento. (...) guardar ressentimento é como segurar uma brasa na mão – sua intenção é atirá-la em alguém, mas você acaba se queimando;
Faça um minirelaxamento. (pgs. 170 e 171)
Deixe claro para seu marido que você está se esforçando para ser um pouco menos perfeccionista. Diga-lhe que precisa de seu apoio – peça que a elogie quando você relevar alguma coisa e que a felicite quando perceber suas tentativas. (pg. 173)
Em um relacionamento saudável, as duas partes dão e recebem. Preocupam-se um com o outro, se comunicam abertamente, encontram um meio-termo (ou alternam as decisões), retribuem os gestos afetuosos e partilham igualmente os benefícios da união. Em um relacionamento em que uma das partes quer agradar o tempo todo, a ligação é muito mais unilateral. (pg. 174)
Os casamentos podem acabar, os filhos crescem, mas as amizades podem durar para sempre, contanto que sejam alimentadas.
Se você quiser fazer alguma coisa para seus amigos, faça porque gosta, não porque espera que eles retribuam.
Se forem seus amigos verdadeiros, estarão prontos para ajudar quando precisarmos. (pg. 177)
Você pode achar que, quando é amiga de alguém, precisa continuar amiga para sempre. Mas as pessoas mudam e as experiências de vida se modificam. (pg. 178)
Precisamos entender as aptidões dos diferentes amigos. (pg. 179)
Boas amizades nos dão espaço para explorar nossos pensamentos, sentimentos e desafios. (pg. 180)
Abrir-se para amigos pode ser difícil para perfeccionistas, mas insisto que é preciso tentar, porque pode levar a amizade a um patamar novo e muito satisfatório. (pg. 181)
As expectativas da família podem fazer disparar todos os alarmes do seu perfeccionismo, que são influenciados pela sua infância, culpa, insegurança e medo de rejeição.
Você não pode mudar de família, mas pode mudar seu modo de pensar e interagir com ela. Dê um passo atrás e pergunte-se o que a incomoda em relação à sua família. (pg. 182)
Infelizmente não existe uma família perfeita, embora possa ser algo bom reconhecer esse fato. Os pais mudam com o tempo, assim como os irmãos, por isso suas necessidades e sua capacidade de amá-la e apoiá-la variam. É fácil esquecer, mas você precisa se esforçar para manter as relações familiares, do mesmo modo que precisa se esforçar para manter o casamento e as amizades. Isso quer dizer que você também tem o direito de ser feliz e, se as expectativas de sua família bloqueiam o caminho, é seu direito rejeitá-las. (pg. 183)

Um comentário:

cantinho de Jake croche disse...

Hoje tu adivinhou que estava precisando de umas palavras,e como sempre a tua leitura compartilhada me ajudou e muiiiiiito.
Adoro este post.
Beijos!!!